Arquivo do autor:Isaac de Moraes

Sobre Isaac de Moraes

Procurando por algo, continua incessante Sem saber o que seja, continua incompreendido Mesmo decidido segue errante

Anúncios

Link | Publicado em | Deixe um comentário

Jarro

Lindo era o jarro grego Amado das ninfas e poetas Negro e ocre, cenas de batalha Olimpiano, limpíssimo

Publicado em Poesiar | Marcado com , , , , | 1 Comentário

a ânsia desmedida do calor

O calor se move com as mariposas. Se alimentam de vida escassa e pólem, voam rotos, juntos, em busca de luz pra crescerem e se agigantarem. O calor se apossa, toma de conta sem prévio aviso, se apodera, expande e … Continuar lendo

Publicado em Casualoidades, Poesiar | Deixe um comentário

esparramada na mesa, a água formava o mapa da Austrália um sinal: de que deveria limpa-la

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

a teimosia eterna das ondas

Chegam duras e pesadas ou altas e suaves. Surgem pequenas, engordam e crescem. Correm desvairadas. Levam, quando delicadas, conchas e cacos em redemoinho. Quando impetuosas, colares, pedras, barcos, braços, pernas e moças. Quebram, sucumbindo diante o próprio peso: Dobram. Seguem … Continuar lendo

Publicado em Casualoidades, Contestória, Poesiar | Deixe um comentário

o trabalho árduo do vento

Um dia, um vento veio de longe atravessando ruas vazias. Rasgando o espaço entre as sarjetas, enchendo as calçadas uivantemente calmo. Flutuando, pulou o portão sem freio e invadiu a janela desnuda com um sincero frio sereno. Aconchegou-se no edredom. Entre … Continuar lendo

Publicado em Casualoidades, Poesiar | Deixe um comentário

Resquício

A vida ganhando formato Ávida por um novo estado Desbarranca Aos poucos se desprende Se constrói assim Ao contrário, das perdas Cai, mas não abala Eu deixo ir Ela finge que se esvai

Publicado em Casualoidades, Poesiar | 2 Comentários

A fita mostrou os beijos e o casamento, a familia mimada e o ventre que permaneceria vazio até o fim da vida!

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

fu-tu-ro pt2

O calor já se mostrava na saída do avião. Ele tirou a blusa velha de lã que vestia e a carregou no vão das alças da bolsa de mão. Não muito depois já estava num taxi e com poucas palavras … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

weird new novel

Com alguns passos atravessou no meio da calçada mesmo, ninguém viu. Ela também não tinha ido longe, a rua era a mesma, as pessoas, os cheiros, tudo. Mas atravessara e  sentira em sua mão fechada o incomum, o verdadeiro significado … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário