Bar(sil)

O bar cheirava a compota de cebola e salsicha, e arroto depois de várias cervejas. Tudo isso num bafo na forma de um grande bloco, a flutuar pelos azulejos. Era bem arejado, com dois arcos enormes na entrada, mas o cheiro parecia grudado naquele pedaço!
À noite, como um cão vadio, o cheiro saia a ladrar pelas calçadas.

Anúncios

Sobre Isaac de Moraes

Procurando por algo, continua incessante Sem saber o que seja, continua incompreendido Mesmo decidido segue errante
Esse post foi publicado em Casualoidades, Poesiar, Poulitikár. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Bar(sil)

  1. Thaissa. disse:

    QUEM COME COMPOTA DE CEBOLA E SALSICHA EM UM BAR (?) *-* , eu como coxinhas, fogazzas, calabresas com cebola. \O/
    xD
    bah, esse bar é estranho. Me deu a sensação de FAROESTE, seilá.. é um ótimo ambiente para uma conversa, um sexo, uma briga, um sexo, um sexo e uma conversA. \O
    bah, curti o lugar. 😀

  2. SO.L disse:

    O problema é que esse cheiro não se alastra; ninguém limpa, ele se instala, se apropria. Depois o povo faz passeata, para a Paulista e bebe vinho na frente do Municipal. Não adianta mais, agora ele faz parte. E todos os protestantes cheiram a ele.

  3. browcaos disse:

    haha, verdade!
    ta tudo corrompido!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s